O Gui é um daqueles skaters que acompanhamos, praticamente desde o início do seu trajecto, e se há uma expressão que o define enquanto skater, o Gui é “GO FOR IT”.

Sempre bem disposto e muito comunicativo, é daqueles skaters que mais prazer dá ter numa viagem ou num dia de skatada, e a garantia que vai haver skate “bruto” mas também com muita técnica essa é a maior das garantias. Temos muito boas memórias e algumas delas estão nesta entrevista.

Já se passou algum tempo desde que tivemos a última conversa que tivemos com o Gui e certamente que há muito assunto para puxar…

-Bem Gui, antes de mais actualiza-nos um pouco sobre tudo aquilo que se passou contigo, depois de termos feito o teu checkout.

Ola! Desde já muito obrigado pela oportunidade de voltar a dar a minha palavra aqui no site!
O que se passou comigo? Vamos lá ver.. se bem me lembro foi a uns 5 anos que fizemos o checkout e desde então fui crescendo, evoluindo tanto no skate como pessoalmente e claro ficando cada vez mais sábio (ahahah)

-Neste momento como estás a direcionar os teus objectivos de vida, para onde achas que estás a ir?

Estou a tentar traçar mais os meus objetivos pessoais! Tenho a certeza que estou a seguir o caminho certo! Quero focar me cada vez mais para o que os meus objetivos se concretizem.

SW FS Bigspin

– Descreve um dia normal na tua vida actualmente.

Basicamente acordo, faço as rotinas matinais (vestir-me, comer, lavar a cara e os dentes e sair de casa) de seguida se já tiver cenas combinadas com o pessoal encontro me com eles, caso não tenha vou à praia fico lá a chillar “for a bit” até que o pessoal decida fazer algo e depois vou ter com eles para andarmos de skate e curtirmos o resto do dia!! E a noite de preferência vou jantar com o pessoal ou então vou para casa e mando ganda session de netflix e chill ahahah

– Uma pergunta que nenhum de nós imaginaria colocar numa entrevista, mas que acaba por ser a realidade actual, como foi para ti os primeiros momentos da pandemia, e saber que tinhas de ficar fechado em casa por tempo indeterminado.

Pois é verdade! Foi kinda weird ao início porque ninguém sabia o que isto seria na realidade até eu fiquei meio assustado para ser sincero e acabei até por ficar 1 semana em casa, mas depois comecei a andar de skate todos os dias na minha hora de almoço e depois das aulas numa mini rampa que tenho ao lado de minha casa!

– Como consegues lidar com esta nova realidade e o que achas que mudou em ti com esta nova realidade.

Vou ser muito sincero, algumas coisas mudaram como, andar de skate descansado na rua/skateparks sem ter que me preocupar com restrições e isso tudo, sair à noite para discotecas ou algo do género com o pessoal, ir a qualquer lado sem ter usar máscara. Está muito diferente a realidade, mas também não me posso queixar porque na realidade continuo a aproveitar e a fazer as minhas coisas do dia a dia como andar de skate, filmar e estar com o meu pessoal! Mas também se não continuasse a fazer estas coisas provavelmente já estava a dar em maluco ahah

Shuvit BS 5-0

– Para além do skate e amigos, como tens gastado o resto dos teus tempos livres, o Durand tem mais interesses que queiras aproveitar esta questão para falar nisso?

O meu tempo livre até a pouco tempo era para andar de skate e estar com os meus amigos na realidade, eu estava e estou a tirar um curso de gestão hoteleira na faculdade do estoril, que foi algo que muito sinceramente atirei me de cabeça sem saber muito sobre a coisa ahah e acabei por gostar imenso do curso e agora estou a acabar só me falta o estágio que está muito complicado para arranjar devido esta situação toda do “covilson” ahah

– Finalmente tens a carta de condução, e dizemos FINALMENTE porque, não foi à primeira que conseguiste, que conselhos queres deixar à malta que acham que tirar a carta é um “bicho papão” e que passam a vida a adiar?

FINALMENTE mesmo! Foi uma guerra para tirar a carta ahah chumbei no exame de código em 2019, 3 dias antes de ir de viagem para os Estados Unidos e entretanto quando voltei fiz mais algumas viagens e fui adiando e adiando e do nada já era verão de 2020!! E eu disse, não vou deixar passar mais 1 ano, até porque não podia mesmo porque a minha carta expirava em outubro de 2020 e acreditem ou não durante as férias de verão enquanto estive no Algarve com o meu pessoal, enquanto eles estavam na “rambóia” eu andava ali a fazer exames no bom condutor porque já tinha o exame marcado para uns dias a seguir dessas mini férias no Algarve!! Entretanto passei no código e marquei logo o exame de condução para outubro se não estou em erro, mas com isto tudo do covid, as escolas de condução fecharam e acabei por fazer o exame de condução so em janeiro deste ano e passei a primeira mesmo chillz! Portanto meus putos apliquem se e não deixam passar 2 anos como eu para tirar a carta porque pelos vistos 2 anos passa mais rápido do que parece ahah.

Kickflip

– Já fizeste umas quantas viagens à pála do skate, qual foi a mais memorável de todas, e onde gostarias de ir brevemente?

É verdade sim! Felizmente já tive oportunidade de fazer umas boas viagens á pala do skate, uma das mais marcantes foi a que estive 1 mês nos Estados Unidos (Califórnia) so a skatar e a aprender mais sobre a cultura do skate deles o que é algo realmente diferente. E também já fiz imensas viagens a Barcelona que acabam sempre por ser marcantes de alguma maneira! Onde eu adorava ir sem dúvida é Miami, o lifestyle la é demais.

-Os teus objectivos enquanto skater vão até onde?

Os meus objetivos enquanto skater é evoluir ao máximo, estar sempre com o pessoal numa boa vibe a aprender manobras novas e a fazer projetos novos.

– Fazer uma vídeo part é todo um processo que nem sempre é tão linear como o que planeamos, o que é o bom e o menos bom desse processo?

Está Videopart deu imenso trabalho para ser feita e qualquer uma acaba por dar, mas isso é o que da mais motivação para acabar e ver o resultado final de todo o trabalho que os skaters, filmers e fotógrafos tem para por tudo em ordem.
Para mim o pior processo talvez possa ser o facto de achar que é sempre necessário algo mais na part e ir adiando por achar que falta algo! Mas acreditem, quando acharem que está boa! Soltem isso!

-Qual consideras o teu melhor e o pior momento em cima do skate?

O meu melhor momento em cima do skate é quando me sinto bem comigo mesmo e estou com o kit em dia ahah
E o pior momento… hmm ainda não tive e espero que não venha a acontecer.

360 Shuvit Lipslide

-Ser skater profissional em Portugal, tens bem próximo de ti vários exemplos, achas que mais alguém o pode alcançar em breve?

Felizmente tenho! E muito sinceramente é o que me faz continuar motivado para andar de skate, para além da minha “self motivation”, o meu pessoal e os meus patrocínios são a base para me fazerem continuar a andar!
Em relação a alguém que se possa vir tornar pro num futuro próximo, sem dúvida que é o Jorge Simões! (Já o devia ser mas pronto).

– Que grande diferenças, será que há algumas, entre o skate cá em Portugal e lá fora?

Para além de spots perfeitos que eles tem lá fora (sem querer dizer que cá não existem claro), o mindset é MUUUUITO diferente, ha muito mais foco e motivação em massa la fora. Que é uma das coisas que eu acho que falta muito cá na tuga.

-Actualmente além de skater podemos dizer que és também influenciador, e também tens aparecido em várias campanhas de marcas, queres falar sobre isso?

Ser influencer não sei se é muito verdade Ahah mas que faço trabalhos para marcas fora do mundo do skate, sim faço, e não tenho vergonha nenhuma disso. Eu amo andar de skate é o que me faz mais feliz, mas também gosto de abrir os meus horizontes e experimentar trabalhar em outras áreas para poder ter uma visão diferente e quem sabe consiga no futuro relacionar áreas que não têm nada a ver com o skate na comunidade do mesmo.

Fakie FS Flip

– Influenciador para muita gente é a sua actividade profissional, mas hoje em dia estão também conotados como pessoas que ficam obcecadas com elas próprias e com a sua imagem, que muitas vezes o que comunicam são conteúdos 100% fabricados que de real nada têm. Tu és uma das gerações que já cresceu com esta realidade e que certamente isto é super normal, mas será que não pensas que tu sendo também um pequeno influenciador possas ser conotado como alguém que acabámos descrever acima?

Eu não sei até que ponto pode-se generalizar essa parte do ficarem obcecadas por elas próprias, porque tenho alguns amigos que fazem vida no mundo das redes sociais e são pessoas bastante humildes e muitas vezes pensam mais nos outros do que neles próprios, mas sim eu acho que até acaba por ser bom termos “self love” porque no fim do dia quem acaba por estar la somos nós mesmos, e é bom sabermos lidar com a nossa própria pessoa!
Em relação a parte de comunicarem conteúdos 100% fabricados, por vezes acontece sim, mas visto que há sempre um briefing antes dos trabalhos acontecerem, cabe a cada uma das pessoas que aceita fazer o trabalho, aceitar ou não fazê-lo consoante o tema do conteúdo. No me caso se for algo que não tem nada a ver com a minha personalidade e que de preferência não tenha skate pelo meio eu prefiro logo dizer que não do que estar a fazer “figuras”, mas cada um sabe de si claro.
Eu não penso muito nisso de estar colocado la para o meio para ser sincero, acredito que hajam pessoas que não curtam do meu trabalho, só porque faço coisas fora do skate, mas por mim é sempre chill (ahah) vai sempre haver alguém para falar mal do trabalho do outro, mas normalmente essas próprias pessoas são aquelas que ficam estagnadas e não avançam, porque perdem mais tempo a falar mal dos outros do que a fazer o seu próprio trabalho.

– E falando de “affairs românticos” certamente que para isso as redes são do melhor que há tens capitalizado bem nesse campo?

“Affairs românticos” hmm prefiro não divulgar e deixar o instagram tratar disso por mim ahah

BS Lipslide

-Tens algum momento “estranho” que tenhas passado no mundo digital, que nos possas contar?

Algo de muito estranho acho que ainda não me aconteceu, mas só aquelas básicas de querer por algo nos amigos chegados e acaba por ir para a história normal ahah

– Qual é o conselho mais importante que queres deixar ao pessoal?

Nunca deixem de sonhar e de trabalhar arduamente para concretizarem os mesmos! Acreditem em vocês próprios e mantenham uma energia positiva!!

– Últimas palavras e agradecimentos.

Gostava de agradecer aos meus patrocínios, amigos, família que estão sempre la para me apoiar quando eu mais preciso. E um grande obrigado ao Ivan Vincente por me acompanhar nesta batalha toda que foi fazer a minha video parte, por acreditar no meu skate e por aturar o meu feitio dificil!

Comentários